E contras de namorar mais velhos

Top 100 jeitos épicos de morrer

2020.05.21 16:02 Aquele_Artur_La Top 100 jeitos épicos de morrer

100-Tropecendo e caindo de boca na pica do pai 99-Jogar Tetris 99 98-Ser um Weeabo 97-Vendendo seus orgãos para se inscrever com tiwitch prime para o Artur 96-Discordando do Stalin 95-botar a mascara que nem o bonaro 94-ver o coronga dançando 93-Pegando ebola porque corona é modinha 92-não fazer uma lista do zé 91-Ser uma criança perto do cara roxo 90-jogar persona 89-assistir persona 88-Comer Casadas 87-Usar Ifunny 86-falar com "ELE" 85-Fumar maconha 84-Ouvir o aúdio sagrado sem fone de ouvido 83-Ter alguma relação positiva com a nina 82-Ser a Nina 81-Ser banido da vida pelo 4R7UR 80-mostrar a imagem proibida pra sayuri 79-Ser o criador do 4R7UR 78-desafiar a UBISOFT 77-Ignorar a aula 76-mostrar a musica do Doom pro Emmanuel 75-Pisar no lego 74-desafiar o big NI:B::B:A 73-Impedir a reconquista de jerusalém 72-falar pro leo que π=3 71-entrar numa igreja e falar q jesus morreu fazendo t-pose 70-Contratar o Aron badinho para seu aniversário 69-morrer num 69 68-Assitir Lucas Neto 67-levar uma marretada do zoio 66-ser devorado pelo caique 65-Ir no pau de arara do Rafael 64-Jogar Ronaldinho Soccer 64 63-rir que nem o Bruno 62-Visitar o laboratório de cocaína da Andressa 61-Chegar no Maestro João Carlos Martins e tocar megalovania pra ele 60-Ir pro Limbo dos Bots sem ser um Bot 59-Falar pro Leo que Gris é ruim 58-Ser amigo do matheus favoretto 57-falar pro lucas que the last é ruim 56-Ser Castrado pela Wendy Castro 55-Fazer uma piada de tiozão 54-não jogar smash com o artur 53-Estragar o açaí com granola 53-recusar o brawlhalinha do lucas 51-estragar banana com açaí 50-comprar Hentai de Anão 49-falar q gosta de banana na frente do estevan 48-Escravizar o pocoto nos EUA 47-Chamar o Diego de Tio Ovinho 46-Jogar Fortnoite 45-chamar o max pro x1 44-Jogar queimada com o pavani 43-ver o max sem camisa 42-Jogar pembolim contra o lino e o lucas 41-falar pro lucas gabriel parar de namorar com o cristhian 40-Ser trancado pelos seus amigos no armário 39-cair na neagle prank do seu irmão mais velho 38-AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA 37-fazer o lino pai rir 36-Morrer de fome na casa do estevan 35-Não gostar do hino da União Soviética 34-ir pra igreja e tocar a musica do Doom 33-Estar na presença de Estevan e não falar AMEN 32-Tocar o pianeco de forma errada 31-Postar Shitpost no Pesca da Diversão 30-levar uma colherada de Aron Badinho 29-Esquecer da existênica do Lino 28-Não ir no aniversário do Henrique 27-Fingir ser alguém do conselho 26-dar upvote nos posts do henrique 25-Ser Homo numa zona NO HOMO 24-jogar a shuriken no wii u do Henrique 23- assistir cocoruto 22-Usar Instagram 21-Entrevistar o Coronga 20-Tentar comer 2 Big Mac em 5 minutos 19-Jogar outlast as 3:33 18-invocar o herobrine no minecraft 17-atirar no seu amigo pra ver se friendly fire ta ligado 16-Jogar Rainbow Six na Vida Real com o ISIS 15- Não assistir a live do Artur 14-Adiar cyberpunk pra dezembro de 2077 13-jogar simulador de minecraft no roblox 12-Ir acampar com o jeiuzu 11-ser adotado de forma surpresa 10-levar um mata leão do josias 09-ser vetorizado pelo vitor 08-não acreditar no juros composto 07-levar uma na boca 06-ser esmagado por uma pilha de hentão 05-ir pra câmara de gás por ser um furro 04-criar um buraco negro depois de zerar google chrome 03-ser pescado em setembro 02-ficar preso nas funções do Max 01-Ser obliterado pelo pau do PAI
submitted by Aquele_Artur_La to pescadadiversao [link] [comments]


2019.02.15 04:47 throwaway901xm Namorei um menino pela internet por 6 anos sem nunca nos vermos pessoalmente. Tô aqui lembrando os piores momentos.

Meio longo, mas preciso desbafar.
Ele era da minha cidade, amigo de um parente meu, mas se mudou pro exterior. Quando ele já tava fora do país há alguns anos, esse parente nos apresentou pela internet porque sabia que gostávamos das mesmas coisas e tal. Isso foi por volta de 2011. Então eu sabia que ele era quem ele era já que tínhamos alguém em comum em nosso círculo social. Éramos muito parecidos. Não tínhamos experiência nenhuma sexual ou romântica, gostávamos de muitas coisas similares. Ele era poucos anos mais velho que eu, mas em geral era como se tivéssemos a mesma idade (eu tinha 19 e ele 22).
Enfim, depois de muito conversar a gente começou a gostar um do outro e resolvemos namorar. Ele jurava que viria me ver "logo que possível" mas nunca arrumava um trabalho. Não era 100% culpa dele, ele tava em desvantagem porque não fez cursos nem terminou a faculdade. Mas enfim, ele procurava pouco, e quando recebia um não, ficava cada vez mais desanimado. Foram uns dois anos assim. Minha família era contra, eles eram muito religiosos e queriam que eu casasse com algum menino religioso da igreja deles e não com alguém que eu conheci na internet e vivia do outro lado do mundo. Então eu acabei tendo muitas brigas em casa pra parar de falar com ele. Eu era maior de idade, eles só eram puta controladores mesmo. Eu era louca por ele, mas nada dele vir me ver. Eu pegava no pé pra ele ir atrás de um emprego pra gente poder se encontrar, mas não dava pra fazer muito assim tão longe dele. Sustentado pela mãe, era fácil pra ele se acomodar. Só jogava videogame e ia pra academia...
Enfim, nessa enrolação toda eu resolvi começar a faculdade. Ele meio que fez um pequeno escândalo porque tinha ciúmes já que minha rotina iria mudar dramaticamente, mas eu fui assim mesmo.
Ele tinha um dinheiro economizado (bastante por sinal) e ele resolveu comprar um cachorro de raça. Simplesmente do nada. O cachorro foi tão caro que dava pra ele ter comprado a passagem pra me ver. Eu estava esperando há anos pra vê-lo e aí ele, desempregado, gastou todo o dinheiro num cachorro chique. Se queria ter um, por que não adotar um já que nem dinheiro ele tinha?
Isso enfraqueceu nosso relacionamento e terminamos. Sentia que ele me amava mas ele não tomava atitude nunca.
De vez em quando ele aparecia do nada pra dizer como tava feliz e abençoado, blá blá blá, que agora ele bebia e era cool. Arrumou um emprego e ficava se gabando que ele iria se mudar pra outro lugar e finalmente viver longe da mãe dele. Um dia ele pegou e me disse que não era mais virgem. Me bateu muito ciúme. Perguntei com quem tinha sido, que eu pelo menos esperava que tivesse sido com alguém que ele gostasse. Aí ele me diz que ele pagou uma prostituta. Que foi em várias na verdade. E que ficou com outra garota por aí. Doeu, mas era a vida dele. Jurei nunca mais falar com ele já que ter ciúme me fez perceber que não tinha superado totalmente.
Passou um ano e pouco. Um belo dia um de nós fez aniversário, não lembro bem se ele ou eu, e voltamos a nos falar. As semanas foram passando e fomos nos reaproximando. Fui idiota pela milésima vez e reatei com ele. Parecia uma maldição porque novamente ele estava desempregado. Fora isso, ele estava tendo problemas com o visto dele. Ele já morava lá há anos mas o fato de estar desempregado há tempos fez com que ele perdesse o visto. Implorei pra ele voltar. Nessa época eu estava recém formada, mas já tinha um trabalho onde eu estava há um bom tempo. Eu disse pra ele que a gente poderia construir nossa vida, que bastava ele vir.
Bom, ele tinha síndrome de vira-lata e só falava mal de brasileiro. Mesmo vivendo de forma ilegal onde estava, queria ficar lá porque "brasileiro é horrível" e tudo era motivo pra ele falar mal do próprio país apesar de assistir novela da Globo todo dia porque a mãe dele comprou o canal internacional. Apesar de ter família no Brasil, pessoas que estavam prontas pra o acolherem, ele não queria vir por birra e preferia ser pego pelas autoridades e forçado a voltar de forma humilhante do que vir por contra própria.
(Falar mal do Brasil e do brasileiro era hobby pra ele. Ele falava umas mil vezes por dia apesar de ser brasileiro e ter cara de brasileiro, e família 100% brasileira. Gostaria de adicionar aqui também que, apesar de pardo, gostava de se dizer branco e ficava ofendido quando qualquer pessoa dizia que ele era moreno. Ele também gostava de dizer como eu era branca, então acho que ele tinha algum problema sério com a pele dele e país de origem).
Nessa época ele descobriu que pegou herpes. Vai saber de quem, mas ele achava que não era das prostitutas e sim da garota com quem ele ficou. Ele ficou super triste e quis terminar comigo. Não deixei, mas foi outro baque pra mim.
Lembro que o povo começou com a onda do vape nessa época e ele quis comprar um com dinheiro que a mãe dele deu pra ele. Ele falou pro vendedor que não era fumante mas queria comprar mesmo assim. O vendedor falou pra ele não comprar e disse que não valeria a pena. Acredita? O próprio vendedor que tá lá supostamente pra vender qualquer coisa pra trouxa, disse pra ele não gastar. Quando ele me contou essa eu quis meter minha cabeça na areia.
Sem emprego, deprimido, síndrome de vira-lata. Agora com uma DST. Eu sabia que não iria mudar, não iria.
Terminei com ele. Mesmo sabendo que era o melhor pra mim, chorei muito. Foram longos anos juntos. A mãe dele me mandou mensagem e me ligou várias vezes pra dizer como ele tava sofrendo. Acho que ela gostava muito de mim porque sabia que estávamos juntos há anos e que eu estava ouvindo as promessas sem pé nem cabeça dele desde o fim da minha adolescência. Eu gostava dela, mandei doces pra ela algumas vezes.
O tempo passou. Conheci alguém novo de forma super casual, online também. Mas esse daí não perdeu tempo.
Ele era estrangeiro, mas pegou um avião pra me ver no Brasil assim que decidimos que queríamos nos ver. Foi um sonho. Um dia nós decidimos que queríamos ficar juntos de vez. Resolvi me mudar com ele. Hoje esse homem é meu marido, e eu sou muito feliz com ele.
Logo que eu me mudei o meu ex tentou falar comigo. Me ligou aos prantos porque descobriu que eu tava com alguém e que tinha viajado. A mãe dele entrou em contato comigo também, praticamente pedindo satisfação porque eu tinha desistido de vez do preguiçoso. Disse que o filho era um anjo, um amorzinho... Ela era religiosa pra caramba, então contei pra ela alguns dos podres dele porque na hora eu estava chateada porque eles estavam me perturbando. Falei que ele tinha ido atrás de prostitutas durante o tempo que ficamos separados, que tudo bem porque a gente não tava namorando mesmo na época, mas que eu queria que ela soubesse que ele não ficou chorando no quarto quando terminamos. Que no primeiro término ele tinha vivido e curtido, e que faria o mesmo dessa vez. Claro que ela não acreditou e disse que ele provavelmente só falou isso pra me deixar com ciúmes. Ok. Depois que nos despedimos, bloqueei os dois. Foi um grande alívio apesar de ter sido um momento um pouco triste. Foi o final de um capítulo muito longo pra mim.
Enfim, é isso. Tava pensando aqui em tudo o que rolou e queria colocar pra fora. Doeu tanto na época. Tanto mesmo. Eu fiquei com ele durante anos muito formativos pra mim. Eu sonhei muito com ele e em muitos momentos eu acreditei no amor dele, mas faltava atitude. Sempre faltou atitude. Às vezes eu me sentia idiota por estar esperando sozinha por tantos anos, mas eu não queria dar o braço a torcer. Não queria jogar tudo pela janela porque foi muito tempo e esforço que eu coloquei nesse relacionamento falido. Esperei por tantos anos pra ele vir me ver, pra nos encontrarmos... E no fim ele não veio. Quem veio foi outra pessoa, alguém que não só FALOU que me amava, mas DEMONSTROU isso diversas vezes, sem que eu precisasse fazer qualquer tipo de pressão. Lembrei que várias vezes ele fazia pressão emocional em mim pra que eu largasse tudo aqui e fosse atrás dele, mas eu não queria fazer isso porque queria ver iniciativa da parte dele. Pelo menos essa burrice eu não fiz, o preço teria sido alto.
E no fim das contas quem viajou fui eu, pra um país completamente diferente, enquanto ele provavelmente ainda está lá onde morava, com o seu cachorro chiquérrimo vivendo com a mãe dele e fugindo das autoridades que querem mandar ele embora e tentando esconder de si mesmo que ele é, como eu, um BR no exterior. A vida é engraçada.
Termino esse post com um obrigada a qualquer um que tenha lido este desabafo. Me sinto melhor agora, foi bom colocar tudo isso em palavras.
submitted by throwaway901xm to desabafos [link] [comments]


2019.01.16 02:45 diogofraga132 O pior melhor ano da minha vida

Eu só queria desabafar sobre tudo que tem acontecido na minha vida, é o ano em que eu mais evolui mentalmente, porém é o ano que eu mais tive dúvidas sobre essa "evolução"... Provavelmente estará cheio de erros de concordância e pontuação, mas não irei corrigi-lo, se fizesse isso provavelmente não postaria.
Esse ano na verdade inclui mais de um ano, mais precisamente são 1 ano e 5 meses, estava eu morando com minha mãe, trabalhando em um negócio familiar e fazendo faculdade( nesse momento já fazia 2 anos de faculdade), me sentia esgotado, não aguentava mais perder 3 horas do meu dia dentro de um ônibus para ir e voltar para casa, me sentia péssimo com isso, e pensei em desistir da faculdade. Foi ali que iniciei uma mudança na minha vida, tinha 18 anos nesse momento, decidi me mudar para a cidade em que estudo, sem emprego e nem pretensões, apenas arrisquei dar certo, ou voltar com o rabo entre as pernas. Após 1 mês morando na nova cidade, usando minhas economias, consegui um emprego, e orgulhosamente digo que foi uma ótima decisão, provavelmente umas das poucas que fiz neste ano.
Uma cidade nova, trabalho novo, amigos novos, objetivos novos, tudo aparentava dar certo. Obtive aumentos consideráveis no serviço, me encaminho ao penúltimo ano da minha formação acadêmica, tenho a oportunidade de ser líder do meu setor no trabalho, tudo maravilhosamente bem.
Mas eu não controlo a mim mesmo, eu admitidamente sou um belo procrastinador, minhas notas diminuíram, meu prazo de conclusão de curso vai ser estendido em 1 ano devido a isso, mas eu ainda tenho controle de tudo, é oque eu penso ao menos. Eu tenho uma namorada, pouco mais de 2 anos de relacionamento, porém desde que começamos a namorar, nunca mantive uma postura digna de um relacionamento, cometi algumas traições( duas pra ser exato, isso se tratando de traições físicas, sem contar diversas traições de caráter moral), mas eu aprendi a lidar com isso, as pessoas sentem orgulho de mim, por que eu não sentiria? talvez por que as pessoas não sabem nada da minha além do que eu quero que saibam.
Durante metade do ano de 2017 e o ano de 2018 passei cerca de dois meses( durante este período todo) em hospitais com ele, ele passou por duas cirurgias cerebrais, além de radioterapias e diversos procedimentos, eu morava a cerca de 1,5 horas da casa dele, e viajávamos mais 2 horas até a capital para realizar os tratamentos, eu via no olhar dele que ele estava cansado, em dezembro de 2018 o médico suspendeu todo o tratamento dele, ele estava cercado de tumores cerebrais irreversíveis e não havia mais volta, não havia mais tratamento, era ali o fim.
O ano de 2018 chegava ao fim, mais precisamente dia 22 de dezembro, ali seria o pior dia da minha vida, o dia que meu herói, meu pai, vinha a falecer, em decorrência de anos de luta contra um câncer, que o degenerava e o deixava fora de si.
Esse dia foi o pior dia, não só pelo fato dele falecer enquanto estava do lado dele no hospital, mas por horas antes disso acontecer havia eu conversado com minha tia, enfermeira do hospital onde ele estava, e já havíamos combinado com o médico que cuidava dele, para administrar pequenas doses de morfina, remédio no qual ele possuía alergia e sabíamos que daria fim a todo aquele sofrimento. Felizmente não foi necessário, ele faleceu horas antes de administrarem os remédios, porém a culpa persiste, eu concordei em dar fim naquilo, eu não podia ver meu pai ser entubado para sobreviver alguns meses em estado vegetativo, eu como filho mais velho dele, e em quem ele depositava maior confiança, não podia ver ele naquele estado.
Passado isso, um novo ano deu início, energias renovadas? as coisas serão diferentes? talvez sim, não sei, a culpa voltou depois de menos de um mês, a culpa de tudo, culpa pelas traições, culpa pela procrastinação, eu não tiro da minha cabeça de que poderia ter dado ao meu pai a chance de me ver completando a faculdade, de que deveria ser sincero com minha namorada, ou mesmo sincero comigo mesmo, tudo agora parece mais claro, por que demorei tanto pra ver as besteiras que fazia? eu me arrependo muito destes anos, mas ao mesmo tempo, tanta coisa boa aconteceu que me faz pensar se vale a pena ser tão insistente apenas nas negativas. Não faço ideia se irei enviar isso ou não, mas me sinto extremamente aliviado comigo mesmo ao conseguir descrever algumas das angústia que guardo comigo e não exito em esconder de todos a minha volta.

submitted by diogofraga132 to desabafos [link] [comments]


2018.06.29 09:02 fcampos2015 23 anos em branco

Amanhã é meu aniversário de 23 anos.
Eu não tive uma infância muito legal. Eu tinha muito medo de tudo, e era uma criança muito ansiosa e tímida. Eu não sabia fazer a maioria das coisas direito, tipo amarrar o tênis, ou plantar bananeira porque eu tinha medo.
A minha mãe era professora de escola, e a mesma tática que ela usava pra controlar os alunos ela usava comigo. Ela quase nunca me bateu, ela só ameaçava e olhava assustadoramente pra mim quando eu fazia algo que eu não queria. Ela também fazia ameaças malucas ('vou quebrar essa casa', ou 'vou encher a sua cara de porrada'). Um tempo depois eu descobri que ela tirava a maioria dessas coisas de um livro que ela tem no armário
Não ajudava também o fato da minha mãe e meu pai brigarem o tempo todo. Meu pai era meio alcoólatra e batia algumas vezes na minha mãe. A casa era uma bagunça e minha mãe ficava meio depressiva com essa situação e tudo ficava uma merda. Não sei se eu me lembro de pouca coisa da época da infância, porque meus pais brigavam toda a hora, e minha mãe brigava sempre comigo.
Minha mãe sempre trabalhou muito de professora e realmente, deve ser um trabalho muito estressante. Minha mãe trabalhava dois periodos e não tinha muita paciência pra cuidar dos filhos. Eu tenho um irmão mais velho e ele era maior que eu.
Sempre quando eu queria fazer alguma coisa sozinho, minha mãe mandava meu irmão me vigiar, e como eu era meio incapaz pra ela, isso durou até uns 14 anos, e até essa época, ela não confiava muito em mim até pra comprar pão na esquina.
A gente também tinha um play 1, e brigava pra jogar. Como meu irmão era mais forte que eu, ele sempre jogava sozinho. Eu ia reclamar pra minha mãe e ela sempre falava 'Resolve entre vocês aí'. Nem precisa dizer que ele sempre jogava.
Boa parte da minha infância foi assistir e torcer pra meu irmão jogando, eu nunca joguei de verdade e sempre fui muito ruim na maioria dos jogos (eu já falei isso com o meu irmão, ele falou 'nem liga, a gente era criança')
Minha mãe também era meio tímida que nem eu, e tinha um medo do caramba de envergonhar os vizinhos e de que eu me machucasse com alguma coisa. Eu tinha medo de ficar na casa de alguém por mais de 1 hora, porque sempre ela sempre me dava dura por conta disso.
Eu também estudava na escola que minha mãe dava aula, que era meio longe do prédio onde eu morava. Eu nunca tive uns amigos de verdade, porque eu nunca tinha muita intimidade com os amigos da escola (que moravam perto um do outro e sempre falavam disso), e a mesma coisa com os amigos do prédio. Minha mãe tinha muito medo de eu ficar longe dela, e ela não deixava eu sair muito longe na rua (morar em prédio ajudava).
Tudo isso fez com que eu não tivesse muito assunto com as pessoas da minha idade, e como eu era muito ruim nos games e etc, nem nerd eu conseguia ser. Eu passei dos 12 anos até agora fazendo todo tipo de besteira na internet, jogando click jogos, acompanhando canais e etc.
Meus pais se separaram com 10 anos, e um tempo depois minha mãe conheceu outro cara evangélico. Ele logo se mudou pra nosso prédio e depois converteu toda nossa familia, incluindo eu.
O problema é que com uns 14 anos, eu meio que perdi o sentido daquilo. Eu tive uma fase ateu, só que depois de um tempo eu só não achava que igreja era pra mim por enquanto.
Um dia eu disse isso pra minha mãe, e ela disse que 'enquanto você morar debaixo do meu teto, vai ter a mesma religião que eu'. Eu perguntei se ela queria forçar eu a ir e ela falou 'É forçar mesmo', e até hoje eu vou na igreja pra ela não dar chilique.
Meu padastro é até contra, só que ele não tem muita voz, já que ele não é meu pai, e ele sabe disso, e sabe que minha mãe é difícil, e não se intromete.
Com 17 anos eu comecei a faculdade e fui muito mal por vários motivos daí de cima. Além disso perdi uma possível namorada que gostava de mim, porque eu sabia que minha mãe não deixaria eu namorar ela, e ela não entenderia isso. Peguei umas 5 dps (e fiz todas depois) e tals, e até hoje não terminei por conta de estágios obrigatórios.
To começando outra, o problema é que na minha cidade não tem muito emprego, e eu tinha medo de trabalhar antes, pra não ferrar minhas dps e acabei com 22 anos e sem experiência nenhuma.
To meio mal, porque hoje é meu aniversário, e eu não fiz nada de bom com a minha vida. Da minha infância até hoje, eu não tenho nenhuma lembrança muito boa. Eu tenho medo da vida passar muito rápido de agora em diante, e eu morrer sem fazer nada.
Além disso, eu não consigo ter amigos e nem conversar com as pessoas. Eu não tenho a skill social necessária, nem os assuntos, e tenho um bloqueio com dividir intimidade com pessoas (é simplesmente algo que eu não entendo como fazer, e eu tenho medo de falar da minha vida)
Além disso, só vou conseguir sair e ser livre, quando eu conseguir emprego, e sair da casa da minha mãe, o que parece impossível na minha situação, e até lá, já vou ter uns 32 anos, muito velho pra ter assunto com as pessoas e aproveitar a vida.
Eu também me deprimo muito fácil e do nada as coisas parecem ruins e depressivas pra mim, e eu acho que o mundo é ruim, eu não sei se isso é verdade, e se não for, eu não consigo controlar isso.
Eu queria saber se isso é normal, se é loucura. Também queria conversar com alguém pela internet, só que eu tenho essa paranoia de não conseguir falar com homens, e só mulheres, porque eu tenho um bloqueio pra falar desses assuntos com homens (eu sei que não faz sentido). E mesmo se não fosse, acho que eu teria vergonha de falar com mulher, porque eu nunca falei com nenhuma por mais de uns 20 minutos. (exceto da família).
É isso aí galera, eu tenho 23 anos e não me lembro de nada, e tenho medo da vida passar rápido. Nem sei porque eu to escrevendo, acho que aqui as pessoas são mais dispostas a ajudar que em outros fóruns e sites.
submitted by fcampos2015 to brasil [link] [comments]


2017.07.25 05:29 followil O que fazer com meu marido?

Oi gente. Acabei de criar minha conta agora e ainda não sei nada sobre como funciona. Só preciso urgentemente de um lugar pra desabafar e ouvir opiniões sinceras.
Dia 30 deste mês farei 3 anos de "casamento" e coloco entre aspas pela seguinte razão: não faço sexo com meu marido há 2 anos e meio - praticamente - e não por escolha minha.
O conheci quando tinha 22 e ele 35. Sempre gostei de caras mais velhos por serem mais bem resolvidos e geralmente maduros. Apesar de, como toda pessoa, a beleza de outra pessoa de chamar atenção é sempre a conversa que me ganha. Na.época estava ficando com um colega dele - que só vim descobrir depois - da mesma idade dele mas todo modelinho, gato mesmo porém um porre quando abria a boca.
Enfim, fiquei com ele, começamos a namorar e em 6 meses nos casamos. A religião dele me deixava grilada de como minha família iria reagir porque éramos evangélicos e ele candomblecista. Mas correu tudo bem.
Antes de namoramos, ele me falou que tinha uma disfunção erétil e o tamanho também era precário. Porém desde sempre ele mostrava um desejo bem grande por mim e supria meus desejos com todo o restante do arsenal dele. Para haver penetração era necessário remédios prescritos. Ele já chegou a ter que tomar injeção de testosterona antes de me conhecer e tal.
Enfim, sexo nunca foi um problema. 6 meses depois nos casamos e depois de mais 6 meses acabou sexo. Mas TUDO! Fiquei me sentindo mal a cada vez que tentava algo e o via sair pela tangente. A situação foi piorando por que gosto de sexo, sou uma pessoa sexualmente bem ativa. E faz uma falta danada. Começamos a brigar muito, fiquei me achando um lixo por não despertar mais desejo nele ainda mais com 20 kgganhos. E ele tentando compensar suas faltas com presentes e comida. Ele tinha 150 kg quando nos conhecemos e dizia que parte do problema era o peso. Ele fez a bariátrica , emagreceu bastante mas não fez nenhum tipo de esforço em.procurar novamente.médicos , remédios , nada. Mas do.que adianta conseguir endurecer o pau se ele nem quer transar?
Realmente não sei o que faço. Eu amo ele de todo o coração. Tem varias qualidades. Mas o sexo faz falta demais. Ele não se esforça pra mudar isso porque não quer. Não faz mais nada oque não quer. Não quer me permitir ter sexo com outras pessoas. Já tentei me separar e ir embora diversas vezes e ele implora pra eu não ir. Já perguntei de boa e o colocando contra a parede se era gay e estava me usando pra esconder da família ou sei lá e ele diz que não. Apenas que não sente desejo. Como se antes sentia bastante?
Alguém tem uma luz pra mim?
submitted by followil to desabafos [link] [comments]